Viver confinado

Confinamento é uma palavra fascista

Bernard Henry Lévy

Desde março de 2019 surgiram muitas expressões que não faziam parte do léxico comum: vírus, pandemia, contágio, confinamento, imunidade de grupo, bolha, distanciamento social, taxa de reprodução, recolher obrigatório, etc.

Confinar é sinónimo de enclausurar, limitar, desterrar.

 

 

 

Por que razão o título deste livro e do website é “Confinado”?

Porque vivo efetivamente confinado há nove anos

  •  no sentido de ter fortemente limitados os meus contactos familiares e sociais;
  • a enorme dificuldade  de explorar oportunidades profissionais;
  • ver-me forçado a mudar a minha residência para o estrangeiro;
  • enquanto professor e conferencista ter de enfrentar audiências ignorando se leram todas as notícias difamatórias publicadas na web sobre mim com origem em Portugal;
  • a dificuldade em abrir conta em bancos (que estão sujeitos a obrigações de due dilligence cada vez mais apertadas);
  • ter de dar explicações quando preciso de obter um  visto para ir ver os meus netos, etc. 

PORQUE VIVO CONFINADO?

  • Desde 2012, sei que estou a ser investigado
  • As minhas declarações fiscais em Portugal foram entregues à imprensa e a correspondência da minha mulher foi violada
  • Fui constituído arguido há mais de 4 anos e não me deram oportunidade de prestar declarações
  • Quando fui constituído arguido não me deram a mínima informação do motivo, nem dos factos apurados, apesar de, segundo a agencia Lusa, a PGR garantir que me tinham informado de tudo
  • Por 3 vezes fui chamado a prestar declarações e não me tomaram declarações
  • O processo vai no 4º juiz de instrução- ou mesmo 5, se tivermos em conta que o juiz Ivo rosa retomou a sua função no caso EDP
  • Tem sido publicada uma torrente de noticias difamatórias com origem no processo de maneira a provocar-me danos irreparáveis, são tantas que a escolha é difícil, porém não há pior do que eu ter deliberadamente prejudicado os consumidores em 1, 200 ME para obter como contrapartida um convite para ensinar em regime de tempo parcial numa universidade estrangeira

Esta situação não se passaria seguramente num país civilizado. Por essas e por outras existe a opinião generalizada de que, infelizmente, há uma crise na justiça.

É  fundamental que estes factos cheguem ao conhecimento dos meus alunos, das suas famílias, dos meus colegas e, de uma forma geral, a quem me conhece pelo papel que tive em promover as energias renováveis, e que, infelizmente,  existe enorme insensibilidade em Portugal perante este tipo de situações.

Até há quem as aprove.

 

Partilha esta publicação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email